MENU

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Como se comportar no primeiro dia de trabalho

O primeiro dia em uma empresa, em meio a pessoas que não conhece, sempre é estranho e desconfortável. Dificilmente alguém gosta do primeiro dia de trabalho. Mas para tornar o primeiro dia menos desconfortável é preciso agir de maneira discreta, observar mais do que agir. Mesmo porque nos primeiros dias em sua nova função é necessário que alguma pessoa te auxilie para que você não cometa erros e geralmente a sua função é olhar o outro trabalhar.
O período crucial do primeiro dia de emprego é a primeira hora e o almoço. No horário de chegada é quando acontecem situações embaraçosas, como ficar perdido na empresa. Por isso, se tiver a oportunidade, na hora em que for entregar os documentos para a contratação procure saber onde será a sua sala, ou prédio de trabalho. Na hora do almoço, não fique questionando o horário para almoçar, aguarde as pessoas te convidarem a não ser que passe muito do horário habitual de almoço.
Seja simpático no trabalho
No primeiro dia de emprego é importante anotar todas as recomendações referente a sua função para não ficar repetindo perguntas, além de facilitar que você grave as informações pertinentes. Também é prudente não se envolver com conversas de corredor, onde sempre tem uma pessoa insatisfeita com a empresa que fala mal do ambiente de trabalho e de tudo mais que o cerca. Não fica bem opinar contra a empresa em seu primeiro dia. Outro ato que deve ser esquecido é falar mal do seu antigo emprego, chefe ou colegas de trabalho.
Espere alguem te chamar para almoçar
É comum que as pessoas falem para você sobre a pessoa que ocupou o seu cargo, inclusive comparando o seu trabalho com o exercido por essa pessoa. É deselegante fazer piadas sobre a pessoa que era “dona” do seu cargo antes de você ser contratado, também não é de bom tom menosprezar o trabalho do seu antecessor, por pior que seja, pois as pessoas podem te julgar prepotente e sem humildade, o que cria impressões sobre o seu trabalho e sua personalidade bem negativas. Lembre-se que a primeira impressão é a que fica, por isso seja simpático e discreto, não faça comentários desnecessários e invasivos que possam constranger as pessoas e criar um clima ruim no trabalho.

Como se comportar no primeiro dia de trabalho

o folheto
Todos os domingos , depois da missa da manhã na igreja, o velho padre e seu sobrinho de 11 anos saíam pela cidade e entregavam folhetos sacros.
Numa tarde de domingo, quando chegou à hora do padre e seu sobrinho saírem pelas ruas com os folhetos, fazia muito frio lá fora e também chovia muito. O menino se agasalhou e disse:
-Ok, tio padre, estou pronto. ‘
E o padre perguntou:
-’Pronto para quê?’:
-’Tio, está na hora de juntarmos os nossos folhetos e sairmos. ‘
O padre respondeu:
-’Filho, está muito frio lá fora e também está chovendo muito. ‘
O menino olhou surpreso e perguntou:
-’Mas tio, as pessoas não vão para o inferno até mesmo em dias de chuva?’
O padre respondeu:
-’Filho, eu não vou sair nesse frio. ‘
Triste, o menino perguntou:
-’Tio, eu posso ir? Por favor!’
O padre hesitou por um momento e depois disse:
-’Filho, você pode ir. Aqui estão os folhetos. Tome cuidado! ‘
-’Obrigado, tio!’
Então ele saiu no meio daquela chuva. Este menino de onze anos caminhou pelas ruas da cidade de porta em porta entregando folhetos sacros a todos que via.
Depois de caminhar por duas horas na chuva, ele estava todo molhado, mas faltava o último folheto. Ele parou na esquina e procurou por alguém para entregar o folheto, mas as ruas estavam totalmente desertas. Então ele se virou em direção à primeira casa que viu e caminhou pela calçada até a porta e tocou a campainha. Ele tocou a campainha, mas ninguém respondeu. Ele tocou de novo, mais uma vez, mas ninguém abriu a porta. Ele esperou, mas não houve resposta.
Finalmente, este soldadinho de onze anos se virou para ir embora, mas algo o deteve.
Mais uma vez, ele se virou para a porta, tocou a campainha e bateu na porta bem
forte. Ele esperou, alguma coisa o fazia ficar ali na varanda. Ele tocou de novo e desta vez a porta se abriu bem devagar. De pé na porta estava uma senhora idosa com um olhar muito triste. Ela perguntou gentilmente:
-’O que eu posso fazer por você, meu filho?’
Com olhos radiantes e um sorriso que iluminou o mundo dela, este pequeno menino disse:
-’Senhora, me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria de dizer que JESUS A AMA MUITO e eu vim aqui para lhe entregar o meu último folheto que lhe dirá tudo sobre JESUS e seu grande AMOR. ‘
Então ele entregou o seu último folheto e se virou para ir embora. Ela o chamou e disse:
-’Obrigada, meu filho!!! E que Deus te abençoe!!!’
Bem, na manhã do seguinte domingo na igreja, o Padre estava no altar, quando a missa começou ele perguntou:
- ‘Alguém tem um testemunho ou algo a dizer?’
Lentamente, na última fila da igreja, uma senhora idosa se pôs de pé. Conforme ela começou a falar, um olhar glorioso transparecia em seu rosto.
- ‘Ninguém me conhece nesta igreja. Eu nunca estive aqui. Vocês sabem antes do domingo passado eu não era cristã. Meu marido faleceu a algum tempo
deixando-me totalmente sozinha neste mundo. No domingo passado, sendo um dia particularmente frio e chuvoso, eu tinha decidido no meu coração que eu chegaria ao fim da linha, eu não tinha mais esperança ou vontade de viver.
Então eu peguei uma corda e uma cadeira e subi as escadas para o sótão da minha casa. Eu amarrei a corda numa madeira no telhado, subi na cadeira e coloquei a outra ponta da corda em volta do meu pescoço.
De pé naquela cadeira, tão só e de coração partido, eu estava a ponto de saltar, quando, de repente, o toque da campainha me assustou. Eu pensei:
-’Vou esperar um minuto e quem quer que seja irá embora. ‘
Eu esperei e esperei, mas a campainha era insistente; depois a pessoa que estava tocando também começou a bater bem forte. Eu pensei:
-’Quem neste mundo pode ser? Ninguém toca a campainha da minha casa ou vem me visitar. ‘
Eu afrouxei a corda do meu pescoço e segui em direção à porta, enquanto a campainha soava cada vez mais alta.
Quando eu abri a porta e vi quem era, eu mal pude acreditar, pois na minha varanda estava o menino mais radiante e angelical que já vi em minha vida. O seu SORRISO, ah, eu nunca poderia descrevê-lo a vocês!
As palavras que saíam da sua boca fizeram com que o meu coração que estava morto há muito tempo SALTASSE PARA A VIDA quando ele exclamou com voz de querubim:,
-’Senhora, eu só vim aqui para dizer QUE JESUS A AMA MUITO. ‘
Então ele me entregou este folheto que eu agora tenho em minhas mãos. Conforme aquele anjinho desaparecia no frio e na chuva, eu fechei a porta e atenciosamente li cada palavra deste folheto.
Então eu subi para o sótão para pegar a minha corda e a cadeira. Eu não iria precisar mais delas. Vocês vêem – eu agora sou uma FILHA FELIZ DE DEUS!!!
Já que o endereço da igreja estava no verso deste folheto, eu vim aqui pessoalmente para dizer OBRIGADO ao anjinho de Deus que no momento certo livrou a minha alma de uma eternidade no inferno. ‘
Não havia quem não tivesse lágrimas nos olhos na igreja. o Velho Padre desceu do altar e foi em direção a primeira fila onde o seu anjinho estava sentado. Ele tomou o seu sobrinho nos braços e chorou copiosamente.
Provavelmente nenhuma igreja teve um momento tão glorioso como este.
Bem aventurados são os olhos que vêem esta mensagem. Não deixe que ela se perca, leia-a de novo e indique aos amigos.
Lembre-se: a mensagem de Deus pode fazer a diferença na vida de alguém próximo a você.
Por isso…
- Me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria de dizer que JESUS TE AMA MUITO e eu vim aqui para lhe entregar o meu último folheto
Tenha um ótimo dia, abençoado por Deus!
No amor não há medo; ao contrário o perfeito amor expulsa o
medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está
aperfeiçoado no amor”.
-- 1 João 4:18

PENSAMENTO:
Você lembra o que Jesus disse aos seus discípulos quando andou
sobre a água durante a tempestade? Ele disse literalmente, “Não
temas, Eu Sou”. Na presença do Santo Filho de Deus, não devemos ter
medo. A graça de Deus em Jesus tira nossa necessidade de temer
porque o sacrifício de Jesus nos torna santos, sem falta, e livres
de qualquer acusação contra nós (Colossenses 1:21-22). Nossa
resposta? Amor! Nós amamos nosso Pai por quem ele é, pelo que ele
tem feito, pelo seu grande sacrifício por nós e, acima de tudo, por
nos santificar e tirar nosso medo.

ORAÇÃO:
Querido Pai no céu, o Senhor é santo, maravilhoso e glorioso. Eu
jamais teria estas qualidades se não fosse pela sua graça. Porém, o
Senhor escolheu me dar essas bênçãos através do sacrifício do seu
Filho Jesus. Obrigado. Eu te amo. No nome de Jesus eu oro. Amém.

o amor

catadora de papel

A professora Rute Villas Boas, sensibilizada com uma cena comum nos dias de hoje, mas que passa despercebida por muitos de nós, escreveu o seguinte:

Ela passava todas as noites, altas horas, empurrando um carrinho, cujas rodas rangentes avisavam-me da sua chegada.

Vinha sempre acompanhada de uma criança que a ajudava a recolher papéis, precioso saldo da coleta dos lixeiros.

Na penumbra formada pela copa das árvores, eu apenas conseguia vislumbrar-lhes as silhuetas, esquálidas e andrajosas.

Seus rostos ainda me permanecem anônimos, mas suas vozes parecem ecoar nos meus ouvidos, cada vez que me lembro delas.

Indiferentes ao sono e às intempéries, caminhavam mãe e filha a passos lentos, como que para desfrutarem ao máximo a mútua companhia.

E conversavam muito. Havia, na fala daquelas criaturas, um misto de compreensão e cumplicidade. E muito carinho.

A mulher, embora maltrapilha, trajava-se de uma dignidade que só as grandes almas possuem, ensinando à garota os segredos da vida.

A menina, supostos oito ou nove anos, absorvia-lhe as palavras, atenta, argumentando algumas vezes, questionando outras...

E o diálogo fluía, longo, harmonioso, suave e, de repente, explodia em cristalinas gargalhadas.

Sinal inequívoco de que se sentiam felizes, pelo simples fato de estarem juntas.

Há muito tempo, já não passam pela minha rua. Talvez tenham mudado o percurso. Talvez tenham mudado de vida ou de endereço. Talvez... Quem poderá saber?

Hoje, me surpreendi pensando naquela mulher e na extraordinária lição de vida que ela me deixou: mesmo dentro da mais absoluta miséria, jamais negligenciou o sagrado compromisso da maternidade.

Mesmo em face das inúmeras adversidades, preferia carregar consigo a filha muito amada, aproveitando todo o tempo para orientar-lhe o caminho.

E nem o cansaço, nem a fome presumível, nem a incontestável pobreza conseguiam tirar-lhe a paciência e o bom humor, condições indispensáveis à difícil tarefa de educar.

No árduo momento em que vivemos, o que constatamos, com freqüência, são pais ensandecidos pela ânsia da conquista de "status" social, sem disponibilidade, ausentes, formando, mesmo dentro de lares abastados, filhos desorientados, carentes e tristes.

Pensando nisso, resolvi prestar uma homenagem especial a essa ignorada mulher, diamante oculto na rocha bruta, mãe sem rosto e sem nome: mãe "catadora de papéis"!

* * *

Importante extrair dessa singela história o ensinamento grandioso que ela contém.

A lição de que o afeto, a atenção e o carinho não dependem do dinheiro para poder se expressar.

O amor não necessita de recursos financeiros, posição social ou diplomas para brotar.

O amor, para se manifestar, precisa, tão-somente, de um coração disposto.

De um coração que entenda o amor e o deixe nascer e florescer, ainda que em condições difíceis, onde a miséria material habita.

E onde o amor floresce, onde existe educação, atenção, compreensão e afeto, surge sempre a esperança acenando com as possibilidades de um amanhã mais feliz e risonho.

Pense nisso!

catadora de papel

5 qualidades do lápis
O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa altura, perguntou:

- Você está escrevendo uma história que aconteceu conosco? E por acaso, é uma história sobre mim?

A avó parou a carta, sorriu, e comentou com o neto:

- Estou escrevendo sobre você, é verdade. Entretanto, mais importante do que as palavras, é o lápis que estou usando. Gostaria que você fosse como ele, quando crescesse.

O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada de especial.
- Mas ele é igual a todos os lápis que vi em minha vida!
- Tudo depende do modo como você olha as coisas. Há cinco qualidades nele que, se você conseguir mantê-las, será sempre uma pessoa em paz com o mundo.

“Primeira qualidade: Você pode fazer grandes coisas, mas não deve esquecer nunca que existe uma Mão que guia seus passos. Esta Mão nós chamamos de Deus, e Ele deve sempre conduzi-lo em direção à Sua vontade”.
“Segunda qualidade: De vez em quando eu preciso parar o que estou escrevendo, e usar o apontador. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas no final, ele está mais afiado. Portanto, saiba suportar algumas dores, porque elas o farão ser uma pessoa melhor.”
“Terceira qualidade: O lápis sempre permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que estava errado. Entenda que corrigir uma coisa que fizemos não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos manter no caminho da justiça”.
“Quarta qualidade: O que realmente importa no lápis não é a madeira ou sua forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, sempre cuide daquilo que acontece dentro de você.”
“Finalmente, a quinta qualidade do lápis: Ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba que tudo que você fizer na vida, irá deixar traços, e procure ser consciente de cada ação”.
Que Deus vos abençoe!
Sucesso!

João Victor

5 qualidades do lápis

Otimismo e Felicidade

uma esquina qualquer da vida, encontraram-se o Otimismo e a Felicidade. Como não poderia deixar de ser, foi um momento festivo, com altos toques de energia positiva.
Pareciam um casal em perfeita comunhão de sentimentos.
Animados até a ponta dos cabelos, ambos esbanjavam sorrisos.
- Como vai? - perguntou o Otimismo.
- Cada vez mais feliz e otimista - respondeu exultante a Felicidade. - E você?
- Cada vez mais otimista e feliz - sorriu o Otimismo.
- Até parece que somos a mesma coisa - brincou o Otimismo.
- A mesma coisa, não digo. Mas, sem dúvida, somos irmãos gêmeos.
- No fundo, no fundo - considerou o Otimismo - todo otimista é feliz. Si, porque o otimista acredita em si, na vida, no sucesso, na felicidade, na sua potencialidade, e seu alto astral o faz sentir-se bem consigo mesmo e com o universo.
Ao quê, avançou a Felicidade:
- E toda pessoa feliz é otimista, pois, ao sentir-se bem consigo mesma, com o universo, com a humanidade e com Deus, está otimizando ao máximo sua vida.
- Tenho a impressão, no entanto - filosofou o Otimismo - que a pessoa otimista tem a vida mais ampla do que a pessoa feliz.
- Por quê? - reagiu a Felicidade.
- Porque a felicidade tem a ver com o dia de hoje, ao passo que o otimismo é hoje e mais amanhã. Ninguém pode ser otimista sem acreditar positivamente no futuro.
- Mas a felicidade não pode existir se sobrar na mente qualquer negativismo do passado ou referente ao futuro. Felicidade é luz e a luz não admite trevas. A felicidade abrange o todo da mente e o todo da mente compreende o passado, o presente e o futuro. Só que o passado e o futuro se desfazem sob a ação da luz da felicidade atual.
- Reconheço - apressou-se o Otimismo - a dimensão plenificante da Felicidade, tanto que sou otimista feliz. Mas desejo acentuar que o otimismo é o caminho do progresso e da evolução.
- Explique melhor - solicitou a Felicidade.
- Todo otimista cria desejos e projetos e acredita que se tornarão realidade. Se não acreditasse na materialização dos projetos, não seria otimista, mas pessimista. Como, pelo Poder da Mente, todo projeto acreditado infalivelmente se concretiza, fica claro que o otimismo é o caminho do progresso e da evolução.
- Isto é verdade - consentiu a Felicidade. - Como, porém, a felicidade é a essencia do ser humano, eu sou a razão de ser da pessoa. Cada qual é o que for a sua mente: Mente feliz, pessoa feliz.
- Também é verdade - ponderou o Otimismo. - Mas, sem realizações, a vida e o indivíduo não vão para frente.
- E sem felicidade a pessoa também não avança. Pelo contrário, se esvai em depressão, desânimo e frustrações.
A Felicidade silenciou por instantes, colocou a mão direita no queixo, e confidenciou:
- Meu caro Otimismo, permita-me fazer-lhe uma reflexão, tão comum entre as pessoas sofridas, que enfrentam enormes dificuldades. Dizem que o otimista é um sujeito fora da realidade, um sonhador estéril: pensa em churrasco enquanto rói osso duro; sonha com casa própria, mas vive debaixo de uma ponte; imagina-se num carrão do último tipo, mas bate sola de sapato pelas estradas da vida.
Que acha disso?
- É que são poucos os que conhecem as leis que regem a vida humana. Uma coisa é sonhar sem acreditar na realização e outra coisa é sonhar e acreditar que todo sonho pode e deve tornar-se realidade. Esta é a diferença que faz a diferença. Uns usam a palavra apenas para expressar a realidade e outros usam-na para criar a realidade. A sabedoria está em saber que o mundo exterior nada mais é do que a materialização do mundo interior. Portanto, é necessário que se crie antes na mente aquilo que se deseja realizado. Isto faz o otimista. O legítimo otimismo é o caminho dos sábios.
A Felicidade ouviu tudo atentamente e deu razão ao Otimismo:
- Concordo com você. Assim como a felicidade nasce na mente e se expressa na vida, da mesma forma o otimista cria na mente o que espera realizar-se na sua vida.
- Agora - retornou o Otimismo - quero fazer-lhe a observação que mais frequentemente se ouve por aí a respeito de você. Falam que a felicidade não existe. Há filósofos, poetas, escritores, e até teólogos, que sustentam que a felicidade não existe. Entendem que a vida é cheia de sofrimentos, de carências, de privações, de desgraças, de desenganos e isso é incompatível com a felicidade, já que não pode haver um infeliz feliz.
Ambos riram.
E o Otimismo saiu-se com esta:
- Faz-me lembrar do caso do Dr Lamentácio Davi da Marga, da cidade de Urucubaca, que se exclamava desolado: "Ai meu Deus, não devo ser infeliz e não consigo ser feliz!".
- O fato é que muitos procuram a felicidade nos fatores externos a si, como a casa, o dinheiro, o carro, a compreensão dos outros, a bondade alheia, a pessoa bonita, assim por diante. Tendo em vista que é difícil ter domínio sobre o mundo exterior, frustam-se a toda hora. Felicidade, porém, é estado mental. Como somente a própria pessoa tem acesso à sua mente, a felicidade depende única e exclusivamente de si mesmo. Basta criar na mente o estado de felicidade e o subconsciente reagirá de acordo. Este é o caminho simples e fácil da felicidade do ser humano. Indiscutivelmente, cada um é o que é sua mente. Logo, mente feliz, vida feliz. Simples.
- Ainda que mal comparando - acrescentou o Otimismo - é como aqueles que olham para o céu em dia de chuva e concluem que o sol não existe.
- Assim como há aqueles que se dizem otimistas e se queixam que as coisas não estão dando certo.
- Eu sei disso - consentiu o Otimismo - São que nem os valentões que blasonam por aí: "Eu não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem!"
Batendo no ombro da Felicidade, continuou o Otimismo:
- Otimismo não é questão de sorte, como pensam certas pessoas. Trata-se do cumprimento da Lei pela qual todo pensamento acreditado se torna realidade física.
A Felicidade aproveitou a deixa:

- O mesmo ocorre com a felicidade. Também é o cumprimento da Lei pela qual todo pensamento de felicidade, desde o unívoco, produz a felicidade.

- É por isso que toda pessoa feliz é otimista - sentensiou o Otimismo.
- E é por isso que todo o otimista é feliz - completou a Felicidade.

Otimismo e Felicidade

Pais ensinem seus filhos a cultivarem a gratidão

Toda mãe deve aprender a se valorizar perante os filhos

Regis Mesquita

Imagine a seguinte situação: a mãe chega do trabalho, fica com o filho, dá banho, comida, carinho, atenção. Então, ela decide fazer exercício físico em casa, por uma hora. O filho não deixa. Ela não pode seguir as orientações da fita de DVD, porque o filho quer ver desenho animado. Ela desiste de fazer exercício e fica angustiada com o corpo e com o fato de não conseguir fazer o que deseja.

Este é o resumo de um email que recebi. O que fazer?

O que estamos observando são crianças se tornarem ditadores. Pais que se sentem frágeis ou culpados deixando com que decisões importantes sejam tomadas pelos filhos.

Algumas décadas atrás o sistema era ditatorial. Os pais poucas vezes tomavam decisões conversando com os filhos. O diálogo foi um avanço muito grande. Bom para pais e filhos.

Hoje, principalmente em ambientes com muitos adultos e poucas crianças, os desejos e as necessidades das crianças são sempre priorizados. Ou seja, um novo desequilíbrio está acontecendo.

Como retomar o equilíbrio? As necessidades e desejos dos pais e dos filhos devem ter o mesmo peso e importância. A mãe do email deve conversar com o filho e dizer: para mim é importante fazer ginástica neste horário. Portanto, você terá que brincar com outros brinquedos.

Explique a lógica para seu filho: fique feliz em ver sua mãe feliz. Você pode ser feliz com o brinquedo e eu vou ser feliz com o exercício. Nós dois podemos ser felizes.

Isto é ensinar a dividir, compartilhar, saber esperar e, principalmente, valorizar a felicidade da mãe.

As necessidades dos filhos devem ter o mesmo peso das necessidades das mães. O diálogo democrático só é eficiente quando todos os membros da família são valorizados.
http://www.psicologiaracional.com.br/2012/04/toda-mae-deve-aprender-se-valorizar.html

Toda mãe deve aprender a se valorizar perante os filhos


Joyce, Filha de pessoas humildes (uma servente e um gari) ganha concurso de cartas das etapas estadual e nacional do 41º Concurso Internacional de Redação de Cartas, promovido pelos Correios.

a adolescente é aluna do EMC

A aluna Joyce Lima Moreno da 7ª série turma B conquistou o 1º lugar das fases estadual e nacional do 41º Concurso Internacional de Redação de Cartas e representará o Brasil na fase Internacional.

O Concurso é promovido pela União Postal Universal – UPU, órgão da Organização das Nações Unidas que congrega as Administrações Postais de todos os continentes. São quatro etapas de seleção – Escolar; Estadual;

Nacional e Internacional – com prêmios para o aluno e para a escola vencedores.

As três primeiras redações escolhidas na etapa estadual e a primeira colocada na etapa nacional receberão premiações dos Correios. A carta primeira colocada na etapa nacional representará o Brasil na etapa mundial realizada na Suíça pela União Postal Universal.

Nesta 41ª edição o tema proposto para a redação da carta foi: “Escreva uma Carta a um Atleta ou a uma Personalidade Esportiva que admira para lhe dizer o que significam os Jogos Olímpicos para Você.”
Carta de Joyce, carta vencedora

Fonte: EMC

Jovem humilde vence concurso de cartas

a vitória é sua

Você foi criado pelo senhor do Universo. O mesmo que criou todas as coisas belas e perfeitas... A natureza foi criada para lhe servir.


Desde o início da vida, sua principal missão é vencer obstáculos... A vitória foi feita pra você! Você nasceu para vencer! Nasceu para brilhar!


Não importa se você será uma estrela, ou a Lua ou o Sol neste mundo, o importante é que brilhe uma luz pura! O que importa é a qualidade, e não a quantidade.


Você não precisa vencer seus irmãos. Você precisa vencer o mundo! Precisa vencer você mesmo! O seu pior inimigo é você mesmo! Vença a si mesmo e terá vencido a principal batalha da vida!


Não deixe que pensamentos negativos o desanimem, enfrente-os! Duvide de tudo que lhe faça mal! A sua mente é a maior obra da história! Use ela a seu favor. Determine pensamentos positivos! Determine sonhos e realizações! Enquanto há vida há esperança! Não desista de si mesmo! Faça tudo para ser feliz...

Turi Souza

a vitória é sua

Coisas que roubam nossa energia
Conta a lenda que um homem caminhava pela estrada levando uma pedra numa mão e um tijolo na outra. Nas costas, carregava um saco de areia. No caminho, encontrou uma pessoa que lhe perguntou:
- Você parece tão cansado! Por que está carregando essa pedra pesada na mão?
- Estranho - respondeu o viajante -, mas eu nunca tinha reparado ...que a estava carregando.
Então, jogou fora a pedra e se sentiu muito melhor. Em seguida, passou outra pessoa e lhe perguntou:
- Diga-me, viajante, por que está carregando esse saco de areia nas costas
- Nossa, eu nem tinha percebido que estava carregando este peso...
Um por um, os passantes foram avisando o homem sobre suas cargas desnecessárias, e ele foi abandonando uma a uma. Por fim, tornou-se um homem livre, leve, e caminhou com muito mais facilidade.
Qual era, na verdade, o problema dele? A pedra e o saco de areia? Não, seu problema estava na falta de consciência da existência deles. Uma vez que viu que eram cargas desnecessárias, livrou-se de tudo bem depressa e já não se sentiu mais tão cansado.
Esse é o problema de muitas pessoas que carregam cargas sem perceber. Não é de estranhar que estejam tão cansadas! E o que são algumas dessas cargas que pesam na mente de um homem e que lhe roubam a energia? São coisas como cultivar pensamentos negativos, culpar e acusar outras pessoas ou acreditar que não existe saída. Todo mundo tem um tipo de carga especial que lhe rouba energia. Quanto mais cedo começarmos a nos livrar dela, mais cedo nos sentiremos melhor e mais leve caminharemos.

Coisas que roubam nossa energia

TRIBUTO AO TEMPO

Tudo o que vive não vive sozinho, nem pra si mesmo. "Dizem que a vida é curta”, mas não é verdade. A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades.

E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada, como uma criança traquina brincando de esconde-esconde.

Infelizmente às vezes não percebemos isso e passamos nossa existência colecionando nãos: a viagem que não fizemos, o presente que não demos, a festa que não fomos, o amor que não vivemos, o perfume que não sentimos.

A vida é mais emocionante quando se é ator e não espectador; quando se é piloto e não passageiro, pássaro e não paisagem, cavaleiro e não montaria.

E como ela é feita de instantes, não pode nem deve ser medida em anos ou meses, mas em minutos e segundos. Esta mensagem é um tributo ao tempo.

Tanto àquele tempo que você soube aproveitar no passado quanto àquele tempo que você não vai desperdiçar no futuro. Porque a vida é agora..."

"Não tenha medo do futuro, apenas lute e se esforce ao máximo para que ele seja do jeito que você sempre desejou"

(Norman Cuisins)

TRIBUTO AO TEMPO

PERIGO DO CANSAÇO DOS BONS


Teus olhos descobrem os heróis anônimos
sem retratos nos jornais sem nomes no rádio sem presença na TV?
Teus olhos os reconhecem na luta silenciosa
para o sustento da família presos ao dever
sensíveis à honra
esquecidos de si?...
Marca indispensável
para o ingresso no heroísmo
é não se cansarem de ser simples
e não descobrirem que são bons...

Do livro MIL RAZÕES PARA VIVER, de Dom Hélder Câmara

PERIGO DO CANSAÇO DOS BONS


O Pai os alimenta
“Por isso vos digo: nao andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário? Olhai para as aves do céu; não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros, e contudo, o vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais do que elas? Qual de vós poderá, com as suas preocupações, acrescentar uma única hora ao curso da sua vida? Quanto ao vestuário, por que andais ansiosos? Observai como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem fiam. Eu, porém, vos digo que nem mesmo Salomão, em toda sua glória, se vestiu como qualquer deles. Se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, não vestirá muito mais a vós, homens de pequena fé? Portanto, não andeis ansiosos, dizendo: que comeremos? Que beberemos? Ou: com que nos vestiremos? Pois os gentios procuram todas estas coisas. De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas elas. Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Portanto, não andeis ansiosos pelo dia de amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal.”

O Pai os alimenta